Anuncios

 

FECHAR

CLIQUE AQUI

Leitura Bíblica: Hb 3.12 “Vede, irmãos, que nunca haja em  qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo”.

Definição teológica e prática

A apostasia (gr. apostasia) aparece duas vezes no NT como substantivo (At  21.21; 2Ts 2.3) e, aqui em Hb 3.12, como verbo (gr. aphistemi, traduzido  “apartar”). O termo grego é definido como decaída, deserção, rebelião,  abandono, retirada ou afastar-se daquilo a que antes se estava ligado.



Apostatar significa cortar o relacionamento salvífico com Cristo, ou  apartar-se da união vital com Ele e da verdadeira fé nEle. Sendo assim, a apostasia individual é possível somente para  quem já experimentou a salvação, a regeneração e a renovação pelo  Espírito Santo (cf. Lc 8.13; Hb 6.4,5); não é simples negação das doutrinas  do NT pelos inconversos dentro da igreja visível.

Os dois aspectos distintos da apostasia

A apostasia pode envolver dois aspectos distintos, embora relacionados entre si:
(a) a apostasia teológica, i.e., a rejeição de todos os ensinos originais de Cristo e dos  apóstolos ou dalguns deles (1Tm 4.1; 2Tm 4.3); e
(b) a apostasia moral, i.e., aquele que era crente deixa de permanecer em Cristo e volta a ser escravo do pecado e da imoralidade (Is 29.13; Mt 23.25-28; Rm 6.15-23;
8.6-13).
A advertência bíblica contra a apostasia

A Bíblia adverte fortemente quanto à possibilidade da apostasia, visando  tanto nos alertar do perigo fatal de abandonar nossa união com Cristo,  como para nos motivar a perseverar na fé e na obediência.



O propósito  divino desses trechos bíblicos de advertência não deve ser enfraquecido  pela ideia que afirma: “as advertências sobre a apostasia são reais, mas a  sua possibilidade, não”. Antes, devemos entender que essas advertências  são como uma realidade possível durante o nosso viver aqui, e devemos  considerá-las um alerta, se quisermos alcançar a salvação final.


Textos Neotestamentários

Alguns dos  muitos trechos do NT que contêm advertências são: Mt 24.4,5,11-13; Jo  15.1-6; At 11.21-23; 14.21,22; 1Co 15.1,2; Cl 1.21-23; 1Tm 4.1,16;  6.10-12; 2Tm 4.2-5; Hb 2.1-3; 3.6-8,12-14; 6.4-6; Tg 5.19,20; 2Pe  1.8-11; 1Jo 2.23-25.

Exemplos da apostasia

Exemplos da apostasia propriamente dita acham-se em Êx 32; 2Rs  17.7-23; Sl 106; Is 1.2-4; Jr 2.1-9; At 1.25; Gl 5.4; 1Tm 1.18-20; 2Pe  2.1,15,20-22; Jd 4,11-13, para comentários sobre a apostasia que, segundo a Bíblia,  ocorrerá dentro da igreja professa nos últimos dias desta era.

Os passos que levam à apostasia são:

(a) O crente, por sua falta de fé, deixa de levar plenamente a sério as  verdades, exortações, advertências, promessas e ensinos da Palavra de  Deus (Mc 1.15; Lc 8.13; Jo 5.44,47; 8.46).

(b) Quando as realidades do mundo chegam a ser maiores do que as do  reino celestial de Deus, o crente deixa paulatinamente de aproximar-se de  Deus através de Cristo (4.16; 7.19,25; 11.6).

(c) Por causa da aparência enganosa do pecado, a pessoa se torna cada vez  mais tolerante do pecado na sua própria vida (1Co 6.9,10; Ef 5.5; Hb  3.13). Já não ama a retidão nem odeia a iniquidade.

(d) Por causa da dureza do seu coração (3.8,13) e da sua rejeição dos  caminhos de Deus (v. 10), não faz caso da repetida voz e repreensão do  Espírito Santo (Ef 4.30; 1Ts 5.19-22; Hb 3.7-11).

(e) O Espírito Santo se entristece (Ef 4.30; cf. Hb 3.7,8); seu fogo se
extingue (1Ts 5.19) e seu templo é profanado (1Co 3.16). Finalmente,  Ele afasta-se daquele que antes era crente (Jz 16.20; Sl 51.11; Rm 8.13;  1Co 3.16,17; Hb 3.14).

O fim da apostasia

Se a apostasia continua sem refreio, o indivíduo pode, finalmente, chegar ao ponto em que não seja possível um recomeço.

(a) Isto é, a pessoa que no passado teve uma experiência de salvação com Cristo, mas que deliberada e continuamente endurece seu coração para não atender à voz  do Espírito Santo (3.7-19), continua a pecar intencionalmente (10.26) e se  recusa a arrepender-se e voltar para Deus, pode chegar a um ponto sem
retorno em que não há mais possibilidade de arrependimento e de salvação  (6.4-6; Dt 29.18-21 nota; 1 Sm 2.25 nota; Pv 29.1 nota). Há um limite para  a paciência de Deus (ver 1 Sm 3.11-14; Mt 12.31,32; 2 Ts 2.9-11; Hb  10.26-29,31; 1 Jo 5.16). (b) Esse ponto de onde não há retorno, não se  pode definir de antemão. Logo, a única salvaguarda contra o perigo de  apostasia extrema está na admoestação do Espírito: Hoje, se ouvirdes a sua  voz, não endureçais os vossos corações ( 3.7,8,15; 4.7).


A consumação da apostasia

É próprio salientar que, embora a apostasia seja um perigo para todos  os que vão se desviando da fé (2.1-3) e que se apartam de Deus (6.6), ela  não se consuma sem o constante e deliberado pecar contra a voz do  Espírito Santo.

Aqueles que, por terem um coração incrédulo, se afastam de Deus
(3.12), podem pensar que ainda são verdadeiros crentes, mas sua
indiferença para com as exigências de Cristo e do Espírito Santo e para com  as advertências das Escrituras indicam o contrário. Uma vez que alguém  pode enganar-se a si mesmo, Paulo exorta todos aqueles que afirmam ser  salvos: "Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé; provai-vos a vós
mesmos".

Quem, sinceramente, preocupa-se com sua condição espiritual e sente  no seu coração o desejo de voltar-se arrependido para Deus, tem nisso uma  clara evidência de que não cometeu a apostasia imperdoável.

As Escrituras  afirmam com clareza que Deus não quer que ninguém pereça (2 Pe 3.9; cf.  Is 1.18,19; 55.6,7) e declaram que Deus receberá todos que já desfrutaram  da graça salvadora, se arrependidos, voltarem a Ele (cf. Gl 5.4 com 4.19; 1  Co 5.1-5 com 2 Co 2.5-11; Lc 15.11-24; Rm 11.20-23; Tg 5.19,20; Ap  3.14-20; note o exemplo de Pedro, Mt 16.16; 26.74,75; Jo 21.15-22).

Fonte: Bíblia de Estudo Pentecostal
Postagem de Subsídios EBD


 
Top