Anuncios

 

FECHAR

CLIQUE AQUI

1. O que são células-tronco?
"São células mestras quê têm a capacidade de se transformar em outros tipos de células, incluindo as do cérebro, coração, ossos, músculos e peles". São também chamadas de células-mães ou stem cells.

2. A formação das células-tronco
As células-tronco são formadas após a fusão dos gametas masculino e feminino (espermatozóide e óvulo), quando surge um aglomerado de células. Após 4 dias, esse grupo de células começa a "formar uma estrutura esférica, chamada blástula, apresentando duas partes, uma interna e outra externa. Aparte externa formará a placenta e aparte interna formará o embrião. É na parte interna que estão as células capazes de gerar todas as células do organismo de um indivíduo".

De onde procedem as células-tronco?
Elas podem ser encontradas em vários tecidos humanos, ainda que em quantidades muito pequenas; no sangue do cordão umbilical, na placenta, na medula e em outros órgãos; e nos embriões, nos seus primeiros dias de vida (parte interna do blastócito) são as células embrionárias.

"Os cientistas geralmente obtêm essas células de embriões descartados em clínicas de fertilidade. Os embriões criados pelo espermatozóide e óvulo de um casal - e que não são implantados no útero nem destruídos pela clínica - podem servir como fontes de células-tronco". Esses embriões, descartados e mantidos congelados, são objeto da lei brasileira que aprovou seu uso em pesquisas.

A CLASSIFICAÇÃO DAS CÉLULAS
MaiyanaZatz, professora titular de genética do Centro de Estudos do Genoma Humano da USP, informa que as células-tronco podem ser classificadas em:

1) Totipotentes ou embrionárias -"São as que conseguem se diferenciar em todos os 216 tecidos (inclusive a placenta e anexos embrionários) que formam o corpo humano"; e só são encontradas nas primeiras fases da divisão celular, "quando o embrião tem até 16 - 32 células (até três ou quatro dias de vida); o óvulo, célula una, divide-se em duas, quatro, oito, dezesseis, trinta e duas, e assim por diante.

2) Pluripotentes ou multipotentes - São as que conseguem se diferenciar em quase todos os tecidos humanos, menos placenta e anexos embrionários. "... surgem quando o embrião atinge a fase de blastocisto (a partir de 32-64 células, aproximadamente a partir do 5° dia de vida)".

3) Oligopotentes - "Aquelas que conseguem diferenciar-se em poucos tecidos; (...) as células-tronco oligopotentes ainda são objeto de pesquisas, mas podemos dizer como exemplo que são encontradas no trato intestinal".

4) Unipotentes - "As que conseguem diferenciar-se em um único tecido". Exemplo: Células da pele só podem constituir a pele. As unipotentes estão presentes no tecido cerebral adulto e na próstata, por exemplo.
LEIA TAMBÉM:

Clique e acesse
Outra classificação de células-tronco as distingue em:

1) Células-tronco adultas.
São aquelas que se encontram nos tecidos maduros, tanto no corpo de adulto, quanto no corpo de crianças. São encontradas na medula, e também no coração umbilical.

2) Células-tronco embrionárias.
"São aquelas encontradas em embriões. Essas têm capacidade de se transformar em praticamente qualquer célula do corpo". São as totipotentes. São objeto de pesquisas, visto que têm a capacidade de transformar-se em quaisquer tecidos do corpo, e são consideradas mais eficientes no tratamento de doenças ainda sem cura pela Medicina.

Essa questão diz respeito aos possíveis usos médicos das células-tronco. De acordo com a Medicina, as células-tronco podem ser usadas para o tratamento de doenças incuráveis. "Por exemplo, uma injeção de células-tronco no cérebro de um portador de Mal de Parkinson pode regenerar as funções dos neurônios do paciente e levar à cura. Outras terapias podem incluir diabetes, mal de Alzheimer, enfartes, doenças sanguíneas ou na espinha e câncer".

QUAIS AS IMPLICAÇÕES ÉTICAS QUANTO À PESQUISA E USO TERAPÊUTICO DE CÉLULAS-TRONCO?
A visão ética sobre o assunto é de que:

a) A vida começa na concepção.
A Ciência confirma. "Quando a vida começa e o feto é uma pessoa? Essa é uma questão intrigante e desafiadora... Seria no momento em que a criança nasce ou recebe o fôlego da vida?
Ou seria no momento já da concepção, quando do encontro entre o espermatozóide a o óvulo, formando o zigoto? (...) Cientificamente falando, um ovo fecundado tem a vida completa de um homem, as únicas coisas que lhe faltam são o tempo e a nutrição" (D'Araújo, pág. 17).

b) O embrião já é uma pessoa.
Davi teve a revelação profunda sobre a concepção, quando escreveu uma das mais belas páginas da Bíblia, ao afirmar, em sua oração a Deus: "Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe", SI 139.16.

Quando o espermatozóide penetra no óvulo, o seu núcleo se funde com o núcleo do óvulo. Nasce a primeira célula de um novo ser humano! Chegando ao útero, o ovo se liga à mucosa uterina. Nela penetra, fazendo um verdadeiro "ninho", onde se desenvolverá durante nove meses, alimentando-se e crescendo. A vida e a estrutura de um homem ou de uma mulher estão definidas no lugar sagrado do útero materno: "No oculto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra".


Segundo o doutor Jérôme Lejeune, Doutor em Ciências e Medicina, responsável pela Clínica e pelo Laboratório de Genética, e professor de Genética Fundamental na Universidade René Descartes, o ser humano começa com a fecundação, "pois é da fertilização da célula feminina (óvulo) pela célula masculina (espermatozóide) que emerge um novo indivíduo da espécie humana.
A vida tem uma longa história, mas cada indivíduo tem o seu início muito preciso, o momento de sua conceição (...) Desde que os 23 cromossomos do pai se juntam aos 23 cromossomos da mãe, está coletada toda a informação genética necessária e suficiente para exprimir todas as características inatas do novo indivíduo.
Aceitar o fato de que, após a fecundação, um novo indivíduo começou a existir, já não é questão de gosto ou de opinião. A natureza humana do ser humano, desde a conceição até à velhice, não é uma hipótese metafísica, mas sim uma evidência experimental (Pergunta e responderemos, pág. 89).

Seria falta de amor impedir a pesquisa que pode devolver a muitos a saúde?

1) PORTADORES DE DOENÇAS GRAVES TÊM O DIREITO À CURA.
Exemplos Mal de Parkinson, Alzheimer, diabetes, doença de Chagas, câncer e outras doenças degenerativas e incapacitantes, têm todo o direito de buscar a cura para suas enfermidades, a fim de alcançarem a condição de ter uma vida normal. Seja pela fé em Deus, seja pela Medicina.

2) O AMOR AO PRÓXIMO NOS LEVA A DESEJAR O BEM DOS OUTROS - INCLUSIVE DO EMBRIÃO.
Devemos querer para os outros o que desejamos a nós. A pessoa em formação, que é o embrião, merece tanto amor quanto a pessoa formada. Por ser inocente e indefeso, precisa de cuidados especiais. Ele também é "o próximo", tão próximo que está dentro do útero materno ou sob o frio ambiente das salas de laboratório.

3) A MEDICINA TEM O DEVER DE BUSCAR SOLUÇÕES.
A Medicina deve buscar soluções terapêuticas para os males que desafiam a Ciência. Os médicos, a quem Deus concedeu a capacitação para lidar com a vida e a saúde humana, devem ser "anjos da vida", e não "anjos da morte".
"Descartar" embriões e congela-los para efeito de pesquisa constituem grave procedimento médico e científico. A vida e a pessoa humana passam a ser vistos como coisas que podem ser manipuladas, pelo fato de haver técnica suficiente para se alcançar objetivos utilitaristas. Tal atitude fere os princípios cristãos.

4) A PESQUISA E O USO DE CÉLULAS-TRONCO ADULTAS DEVEM SER INCENTIVADOS.
Cientistas respeitados entendem que se pode buscar a cura de doenças a partir da pesquisa e uso das células-tronco adultas (não das embrionárias), obtidas no cordão umbilical, na medula e em outros órgãos, sem que se cometa o ato médico ilícito de assassinar seres que, à luz da Bíblia, são consideradas pessoas em potencial, com todas as características de um indivíduo único, cuja vida é só sua, e não do pai nem da mãe, e que deve ser respeitado como ser humano em formação.

5) A VIDA COMEÇA NA CONCEPÇÃO.
Conforme a Bíblia e a opinião de cientistas éticos, a vida não pode ser banalizada. Ela começa no momento da concepção e deve ser respeitada.
O embrião é uma pessoa inocente, indefesa, mas viva e com todas as características herdadas dos pais através do código da vida, o DNA. E a Palavra de Deus determina: "De palavras de falsidade te afastarás e não matarás o inocente e o justo; porque não justificarei o ímpio", Ex 23.7.
Devemos ser amorosos e sensíveis aos males dos que sofrem sem encontrar solução para seus graves problemas de saúde. Mas, ao mesmo tempo, devemos ser firmes na defesa dos princípios éticos, emanados da Palavra de Deus, pois vivemos num mundo em que quase tudo é tornado relativo, inclusive a vida.
Um mundo em que o que é certo, de acordo com a Bíblia, é visto como errado; e o que é errado, é visto como certo, conforme escreveu o profeta Isaías: "Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal! Que fazem da escuridade luz, e da luz, escuridade, e fazem do amargo doce, e do doce, amargo!", Is 5.20.

Fonte: Jornal Mensageiro da Paz, Maio de 2005
Artigo de: Pr. Elinaldo Renovato de Lima
Divulgação: Subsídios EBD


 
Top