Anuncios

 

FECHAR

CLIQUE AQUI

Organização é ordem. É método no trabalho, no viver, no agir e em tudo mais. A organização permeia toda a criação de Deus, bem como todas as suas coisas. A desorganização e a desordem destroem a vida de qualquer pessoa, igreja ou organização secular. Por seu turno, o crescimento sem ordem é aparente e infrutífero. Sim, porque toda energia sem controle é prejudicial e perigosa. Pode haver muito esforço e nenhum crescimento real, porque a desorganização aniquila os resultados positivos surgidos.

Uma vez que a ordem permeia o universo de Deus, temos base para crer que o céu é lugar de perfeita ordem. Leis precisas e infalíveis regulam e controlam toda a Natureza, desde o minúsculo átomo até os maiores corpos celestes.

I. Organização na Bíblia

A. Na Igreja.
Todos os símbolos bíblicos da Igreja falam de organização, ordem, método. Ela é comparada a:
1. Um templo (1 Co 3.16; Ef 2.21).
2. Um corpo (1 Co 12.27; Cl 1.24).
3. Uma lavoura (1 Co 3.9).
4. Um edifício (1 Tm 3.15; Hb 3.6; 1 Pe 2.5).
5. Um rebanho (Lc 12.32; 1 Pe 5.2).
6. Um jardim (Ct 4.16).
7. Uma noiva (2 Co 11.2; Ap 22.17).
8. Um castiçal ou candeeiro (Ap 1.20).
Tanto estes, como os demais símbolos da Igreja falam de organização, ordem, método.

B. Em Israel
1. A perfeita ordem das tribos no acampamento, Nrn 2.
2. Os detalhes da demarcação de limites das tribos (Js caps. 14-20).
3. O serviço sagrado no templo (1 Cr 15; 16; 23 a 27).

A ordem não impedia a manifestação da glória divina no Santo dos Santos; ao contrário, se as prescrições divinas fossem negligenciadas, o castigo era certo. Lemos em Levítico 1.6,8,12, dos sacrifícios “em ordem” no altar.

C. Quanto ao Senhor Jesus Cristo (Me cap. 6).

Trata-se do milagre da multiplicação dos pães, quando milhares foram alimentados no deserto. Antes de Jesus realizar o milagre, ordenou aos discípulos que fizessem a multidão sentar em grupos de 100 e 50 pessoas. Quando o povo estava em ordem, Jesus então realizou o estupendo milagre, sendo todo o povo alimentado e restando ainda muito alimento. Atualmente, em muitas igrejas o Senhor deixa de operar milagres e alimentar espiritualmente a multidão, devido a irreverência e confusão que derivam da desorganização na reunião. Não é só a desorganização material, mas também a espiritual, transformando o culto num “sacrifício de tolos” (Ec 5.1). Compete aos discípulos cuidar da organização necessária; ver também Lucas 9.14,15.

II. A organização geral da Escola Dominical
Tem forma tríplice. Ela é pessoal, material e funcional.

A. A organização pessoal
1. Dirigentes da Escola Dominical. É a diretoria da Escola, da qual logo falaremos.
2. Professores da Escola Dominical. É o corpo docente da Escola. Têm sobre si a maior responsabilidade, pois lidam diretamente com o aluno e com o ensino.
3. Alunos da Escola Dominical. É o corpo discente da Escola. É a “matéria prima” da mesma. A escola existe para atender as necessidades dos alunos.

B. A organização material

1. O prédio.
A Escola Dominical deve funcionar em instalações apropriadas à escola, tendo salas de aula independentes. Uma das leis do crescimento da Escola Dominical afirma: “A Escola Dominical crescerá enquanto houver espaço para as classes.”

2. O mobiliário.
Deve ser apropriado aos fins, e, de conformidade com a idade dos alunos.

3. O material didático.
Comumente chamado literatura. Abrange as diferentes revistas de aluno e professor, bem como o respectivo material de apoio, obedecendo a um currículo bíblico, de acordo com o agrupamento de idade escolar dos alunos.
Todo o material didático deve ser utilizado de acordo com os métodos de ensino compatíveis a cada agrupamento de idade dos alunos.

C. A organização funcional.
Trata do funcionamento da Escola Dominical, visando a consecução de seus objetivos. Grande responsabilidade têm aqui o pastor da igreja e a diretoria da Escola.

A organização funcional cuida da:


Clique e acesse
1. Espiritualidade.
A vida espiritual compreende o estado da escola quanto à oração, conduta cristã, santificação bíblica, consagração a Deus e predomínio do Espírito Santo.

2. O ensino da Palavra.
Estudo e ensino da Palavra, livre de extremismo, modernismo, fanatismo, doutrinas falsas, etc. Aqui, segundo a promessa divina em Isaías 55.11, os frutos com toda certeza surgirão.

3. Eficiência.
Aqui, a Escola cuida em prover abundante ensino através de professores idôneos, espirituais, treinados, cheios do Espírito Santo e zelo pela obra de Deus. Não confundir idôneo com idoso.
A eficiência é vista através do crescimento da Escola Dominical, em todos os sentidos.

4. Planejamento.
De nada adianta muita organização e preparo, sem a operação do Espírito Santo. Dons naturais, personalidade atraente, eloquência, boa dicção, cultura erudita e outras boas coisas, podem influenciar .temporariamente apenas. Tais coisas jamais serão suficientes em si, mas, podem ser vitalizadas e dinamizadas pela ação poderosa do Espírito Santo. É aí que está a diferença. É oportuno dizer que o Espírito Santo tem uma afinidade especial com a mente treinada, quando santificada.

III. A diretoria da Escola Dominical
Uma Escola Dominical de grande porte, plenamente desenvolvida, deverá ter uma diretoria assim constituída:

A. Superintendente.
Nas escolas filiais é chamado dirigente. Na sede, o superintendente, regra geral, é também o dirigente local.

B. Vice-Superintendente.
 Nas escolas filiais é chamado vice-dirigente.

C. 1- Secretário. Quando os dois primeiros acima mencionados não comparecem, o 1° secretário assume a direção dos trabalhos, conforme as normas locais.

D. 2° Secretário.
Os secretários devem ter auxiliares, dependendo do tamanho e movimento da escola.

E. Tesoureiro.
Deve ser pessoa competente e recomendada por todos para tal mister.

F. Bibliotecário.
Um bibliotecário competente na sua função é uma bênção para a Escola Dominical. Logo mais falaremos da biblioteca da Escola Dominical.

G. Dirigente Musical.
As atividades musicais da escola não são apenas a execução e a regência do canto congregacional, conjunto musical, etc. O dirigente musical trabalha também no setor infantil, no ensino do canto, ressaltando a importância do louvor, ensaiando programas musicais, preparando números especiais a diferentes vozes, ajudando na parte musical do culto infantil, etc.



H. Porteiros e Introdutores.
Podem ser os mesmos que já servem à igreja. São muito necessários na Escola Dominical, na orientação geral de alunos e visitantes. Falando de porteiros e introdutores ou recepcionistas numa Escola Dominical, lembremo-nos que o povo entra onde é convidado, e fica onde é bem tratado. Ninguém é obrigado a ficar num lugar onde não é bem recebido nem bem tratado. O dirigente da Escola Dominical precisa pensar nisso.

Os membros da diretoria da Escola Dominical são conhecidos como dirigentes da Escola Dominical. Seu número depende do tamanho da escola. Numa escola pequena, um obreiro pode acumular funções. Organização excessiva numa escola pequena é contraproducente; já passa a ser formalidade.

Conclusão
A diretoria da Escola Dominical tem grande responsabilidade. Diz a Palavra: “Não havendo sábia direção o povo cai” (Pv 11.14; Ec 10.16; Rm 12.8).

Divulgação:  www.subsidiosebd.com | Artigo: PR. Antonio Gilberto


 
Top