FECHAR <----

CLIQUE AQUI
 

Classe: Jovens – 3°Trimestre de 2018 | Data da Aula: 02/09/2018
TEXTO DO DIA
“E Jesus, vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Filho, perdoados
estão os teus pecados.” (Mc 2.5)
SÍNTESE
Ao tratar primeiramente da questão do pecado na vida do paralítico de Cafarnaum, Jesus demonstra que este, na verdade, é o grande problema do ser humano.

AGENDA DE LEITURA
SEGUNDA – Is 43.25: Por amor a si Deus apaga as transgressões
TERÇA – Is 55.7: Deus perdoa com generosidade
QUARTA – Cl 3.13: Perdoar como o Senhor nos perdoou
QUINTA – 1 Jo 1.9: Se confessarmos os pecados, Ele nos perdoa
SEXTA – Ef 1.7: Em Jesus temos o perdão dos pecados
SÁBADO – Cl 1.13,14: Em Jesus temos a remissão dos pecados
 
Clique e acesse
OBJETIVOS
• DISSERTAR a respeito do ministério do Senhor Jesus Cristo tendo-o como modelo absoluto;
• VALORIZAR a amizade sincera;
• CATEGORIZAR a dupla restauração realizada por Jesus na vida do homem.
INTERAÇÃO
Que somos seres gregários ninguém tem dúvida. A Bíblia fala, por diversas vezes, acerca da amizade (1 Sm18.1-3; Rt 1.16,17; Pv 17.17; 18.24; 27.9,10; Ec 4.9,10). O seu valor é inegável. Até mesmo o nosso querido Mestre falou a respeito do fato de que Ele não considerava os seus discípulos como servos, mas sim como amigos (Jo 15.15). Assim, além do milagre objeto desta lição, o tema transversal — a amizade —, leva-nos a refletir sobre a importância dos relacionamentos. Não apenas do fato de tê-los, mas também da qualidade de tais relacionamentos (Pv 13.20; 22.24,25; 1 Co 15.33). É gratificante saber que temos amigos e que podemos contar com eles. Contudo, dificilmente pensamos e refletimos acerca de que tipo de amizade oferecemos às pessoas ou que tipo de amigo temos sido. Sim, em vez de cobrar, que tal fazer um autoexame e pensar no quanto temos sido amigos das pessoas?
TEXTO BÍBLICO
Marcos 2.1-8
1 E, alguns dias depois, entrou outra vez em Cafarnaum, e soube-se que estava em casa.
2 E logo se ajuntaram tantos, que nem ainda nos lugares junto à porta eles cabiam; e anunciava-lhes a palavra.
3 E vieram ter com ele, conduzindo um paralítico, trazido por quatro.
4 E, não podendo aproximar-se dele, por causa da multidão, descobriram o telhado onde estava e, fazendo um buraco, baixaram o leito em que jazia o paralítico.
5 E Jesus, vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Filho, perdoados estão os teus pecados.
6 E estavam ali assentados alguns dos escribas, que arrazoavam em seu coração, dizendo:
7 Por que diz este assim blasfêmias? Quem pode perdoar pecados, senão Deus?
8 E Jesus, conhecendo logo em seu espírito que assim arrazoavam entre si, lhes disse: Por que arrazoais sobre estas coisas em vosso coração?

INTRODUÇÃO
Apesar de menor entre os quatro Evangelhos, o de Marcos tem sido
tradicionalmente apresentado como o mais antigo deles e também
fonte dos sinóticos (Mateus e Lucas). Trata-se, portanto, de um texto muito importante, cuja narrativa simples e direta destina-se a falar do essencial — o Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus (Mc 1.1) — isto é, o novo tempo trazido pelo Senhor, cuja condição para dele fazer parte é o arrependimento e a fé (Mc 1.14,15). Assim como esta lição, deste Evangelho serão extraídas as narrativas de milagres para as demais lições que ainda restam ser comentadas. A de hoje contém grandes valores.
 
Clique e acesse
I – O MINISTÉRIO DE JESUS CRISTO
1. Cafarnaum, cidade base do ministério de Jesus na Galileia.
O texto bíblico da lição inicia informando que Jesus “entrou outra vez em Cafarnaum, e soube-se que estava em casa” (v.1). Situada às margens do mar da Galileia, Cafarnaum tornou-se a cidade escolhida por Jesus para fixar residência após Ele deixar Nazaré (Mt 4.12,13; 9.1). Tal iniciativa se deu de acordo com o texto bíblico e como já foi comentado, para que se cumprisse o que fora
predito pelo profeta Isaías (9.1,2 cf. Mt 4.14-16), isto é, que para um povo sem esperança, uma grande oportunidade chegara, pois desde que João Batista fora preso, “veio Jesus para a Galileia, pregando o evangelho do Reino de Deus e dizendo: “O tempo está cumprido, e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no evangelho” (Mc 1.14,15).

2. A aglomeração de pessoas.
Apesar de a questão cronológica não ser unanimidade em qualquer texto bíblico, é possível verificar no arranjo do texto de Marcos uma atividade intensa do Senhor Jesus na região da Galileia, ainda no início deste Evangelho (Mc 1―2). Jesus surge pregando a mensagem da chegada do Reino de Deus e convoca os primeiros discípulos, vai a sinagoga ensinar e al liberta um homem que tinha um espírito imundo; dirige-se à casa de Pedro e cura a sogra deste, levanta-se de madrugada para orar e depois convida seus discípulos a ir às aldeias pregar e, nestes locais, Ele comparece nas sinagogas; por toda a região da Galileia e expulsa demônios, além de curar um leproso (Mc 1.14-45). Portanto, o fato de o Senhor estar em “casa” certamente significava uma pausa necessária para um descanso, mas isso não foi possível, pois quando souberam,
“logo se ajuntaram tantos, que nem ainda nos lugares junto à porta eles cabiam” [...] (v.2a).

3. O anúncio da Palavra.
Longe de irritar-se ou fugir, Marcos informa que diante da aglomeração que se formou, o Mestre fez o que lhe competia — “anunciava-lhes a palavra” (v.2b). O texto lembra outras ocasiões em que Jesus deixava de fazer outras coisas necessárias à vida para cumprir sua missão, pois tinha consciência de que o tempo de seu ministério terreno seria breve (Jo 4.31-34).

II – UMA GRANDE DEMONSTRAÇÃO DE FÉ
1. O valor da amizade.
O versículo 45 do capítulo primeiro de Marcos informa que, após curar um leproso, “Jesus já não podia entrar publicamente na cidade, mas conservava-se fora em lugares desertos; e de todas as partes iam ter com ele”. Tal informação indica que o fato de Ele aguardar alguns dias para entrar em Cafarnaum tem uma razão de ser: provavelmente despistar a multidão para que pudesse estar em casa. Todavia, souberam que Ele “estava em casa” e então a aglomeração de pessoas foi inevitável (vv.1,2). Sabendo que o Senhor estava em casa, quatro amigos resolveram conduzir, em uma maca, um companheiro paralítico (v.3). Não é possível saber a distância que eles percorreram conduzindo aquele homem nas estradas poeirentas da Galileia, sob o sol escaldante, e nem se este era magro ou obeso. O certo é que aquele homem tinha quatro amigos e, como diz Provérbios, o “homem que tem muitos amigos pode congratular-se, mas há amigo mais chegado do que um irmão” (18.24).

2. Uma atitude ousada.
Ao chegar a casa, “por causa da multidão”, os quatro amigos foram impedidos de aproximar-se de Jesus. Contudo, pela atitude dos quatro homens é possível verificar que sequer passou pela cabeça deles desistir. Marcos diz que eles descobriram o telhado da casa onde o Senhor “estava e, fazendo um buraco, baixaram o leito em que jazia o paralítico” (v.4). As casas simples daquela época possuíam uma escada lateral que permitia fácil acesso ao telhado que, muitas vezes, era utilizado como caixa d’água. A cobertura era basicamente feita de madeira, com uma camada de areia e basalto, que servia como material impermeabilizante. Portanto, não deve ter sido muito fácil “cavar” o telhado, fazer um buraco e baixar o homem paralítico até Jesus.

3. Uma fé quase palpável.
Para alguém que estava pregando, tal movimentação certamente interrompeu o ato, não obstante, Jesus não se mostrou incomodado, antes, diz o texto, “vendo-lhes a fé”. (v.5). A ousada atitude daqueles homens revelou uma fé quase “palpável”, pois o fato de trazer o amigo até ali e por causa da multidão não poderem
ter acesso ao Mestre não os impediu de fazer algo inusitado e que poderia gerar um efeito contrário do que eles esperavam. No entanto, foi justamente essa ação, nada convencional, que fez com que o Senhor os atendesse.

III – UMA RESTAURAÇÃO COMPLETA
1. O questionamento dos doutores da Lei.
Após ser interrompido pelos quatro amigos resignados que baixaram o homem diante de Jesus, o Mestre “vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Filho, perdoados estão os teus pecados” (v.5). Uma vez que, como já foi dito, havia uma associação muito grande entre sofrimento e pecado (Jo 9.1,2), o Senhor tratou primeiramente da questão que aflige a todos, trazendo restauração espiritual ao paralítico. Contudo, havia entre a multidão um grupo numeroso de escribas (v.6 cf. Lc 5.17), o qual seguia os passos de Jesus com intenções muito distintas das do povo (Lc 20.19,26). Estando ali assentados, começaram a questionar, argumentando em pensamento: “Por que diz este assim blasfêmias? Quem pode perdoar pecados, senão Deus?” (v.7). O Mestre, entretanto, “conhecendo logo em seu espírito que assim arrazoavam entre si”, os inquiriu acerca do porquê de estarem questionando (v.8).

2. As inquirições e o milagre.
Se a primeira pergunta feita pelo Senhor já parecia surpreendente (como Ele sabia o que os escribas estavam pensando?), as próximas indagações vão muito além: “Qual é mais fácil? Dizer ao paralítico: Estão perdoados os teus pecados, ou dizer-lhe: Levanta-te, e toma o teu leito, e anda?” (v.9). É preciso notar que o Mestre não pergunta sobre o que é mais “difícil”, e sim o que é mais “fácil”. Denotando que não há nada que lhe seja impossível, pois Ele é Deus (Lc 1.37). Digno de nota é também o fato de que “dizer” que os pecados de alguém estão perdoados é algo subjetivo, mas ordenar a alguém, paralítico, que se levante, tome sua maca e ande, é algo completamente objetivo e verificável. E foi exatamente isso que Jesus fez. Utilizando um de seus títulos para referir-se a si, Filho do Homem―, o Mestre então prova que tem poder para perdoar pecados, ordenando que o paralítico se levante, tome seu leito e dirija-se para sua casa (vv.10,11). Os que antes não queriam abrir espaço para os seus amigos que o trouxeram, tiveram agora que dar lugar para que ele mesmo passasse.

SUBSÍDIO 1
“A cura e o perdão (2.1-12). Este capítulo abre uma seção que descreve o desenvolvimento da oposição a Jesus. No início, o antagonismo permanecia em silêncio, na mente dos escribas (2.6); mas logo encontrou expressão nos ataques contra os discípulos (2.16) e depois nas tramas contra o próprio Senhor (3.6). Como
Mateus indica (9.1), Cafarnaum ([...]) agora havia se tornado a ‘cidade’ do Senhor, e seria a sua base de operações durante todo o seu ministério na Galileia. Quando Jesus voltou, soube-se na comunidade que Ele estava em casa, possivelmente a casa de Pedro. Ele ‘não pôde esconder-se’ (7.24). O significado exato da indicação de tempo de Marcos, alguns dias depois, continua um mistério e parece indicar que alguns dias depois que Jesus entrou
em Cafarnaum, circularam as notícias da sua presença. Então logo se ajuntaram tantos (2) que a casa não comportava tanta gente, nem havia espaço junto à porta. Era uma casa humilde, sem um
pórtico ou vestíbulo. Apesar da multidão comprimida, Jesus anunciava-lhes (ou proclamava) a palavra, ‘a mensagem’.
Quatro homens trouxeram até esta casa cheia de gente um paralítico, com a fé de que Jesus poderia curá-lo. Subindo a escada exterior até o teto daquela casa térrea, os homens descobriram o telhado (4), e rompendo a argila (ou as telhas, Lc 5.19), assim como os galhos e ramos abaixo dessa superfície, baixaram o leito. A cooperação e o trabalho árduo deles haviam aberto o caminho” (EARLE, Ralph.; MAYFIELD, Joseph H.; SANNER, A. Elwood. Comentário Bíblico Beacon. Mateus a Lucas. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2014, p. 236).

SUBSÍDIO 2
Os quatro homens entraram pelo telhado, porque as portas da casa achavam-se bloqueadas. Temos aí um exemplo dos que, apesar
de buscarem a Deus, não podem achegar-se a Cristo, pois as portas da Casa de Deus encontram-se bloqueadas por teólogos profissionais e sem vida espiritual. João Wesley viu que o caminho da evangelização estava bloqueado pela igreja estabelecida. Por isso saiu aos campos abertos para pregar às massas. Tal
método horrorizou os eclesiásticos da época, mas a obra foi feita. George Fox, fundador dos ‘Quacres’, percebeu estar a formalidade da igreja inglesa servindo de empecilho Na uma experiência íntima com Cristo. Eis porque deixou-se impulsionar pelo Espírito. Embora parecesse excêntrico e extremado, seu método de trabalho conduziu milhares de almas ao Senhor Jesus. Como o cristianismo nominal não satisfaz a fome espiritual do homem, o coração busca um meio de irromper as barreiras até chegar a Cristo. Haja embora murmuração dos escribas, o telhado do eclesiasticismo é rompido.
O importante é que todos ouçam a voz do Mestre. Causas invisíveis e efeitos visíveis. Como o perdão do pecado é uma bênção espiritual, e só se evidencia na consciência do homem perdoado, o Senhor Jesus produziu um efeito físico para deixar a bênção bem patente (PEARLMAN, Myer. Marcos. 4.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, pp. 36,37).

CONCLUSÃO
A grande mensagem desta lição é que Deus vê a nossa fé através de nossas atitudes e não simplesmente das nossas palavras e crenças. Outra mensagem é que muito mais importante do que se ter amigos, devemos ser amigos a ponto de fazer coisas que talvez até fuja daquilo que, religiosamente falando, é convencional e protocolar.

HORA DA REVISÃO
1. Jesus procurou a paz da casa, mas não pôde desfrutá-la por causa da multidão.
Em vista disso, o que Ele fez? Longe de irritar-se ou fugir, Marcos informa que diante da aglomeração que se formou, o Mestre fez o que lhe competia: “anunciava-lhes a palavra” (v.2b).

2. Quando a casa foi descoberta e os homens baixaram o paralítico, o que foi que
Jesus viu nesta ação?
A fé daqueles quatro homens (v.5).

3. Ao deparar-se com o paralítico, Jesus deu prioridade a uma importante área da vida humana e iniciou a restauração do homem por esse aspecto. Fale sobre o assunto.
Após ser interrompido pelos quatro amigos resignados que baixaram o homem diante de Jesus, o Mestre “vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Filho, perdoados estão os teus pecados” (v.5). Uma vez que havia uma associação muito grande entre sofrimento e pecado, o Senhor tratou primeiramente da questão que aflige a todos, trazendo restauração espiritual ao paralítico.

4. Por que Jesus utilizou a expressão o que era mais “fácil”?
Denotando que não há nada que lhe seja impossível, pois Ele é Deus (Lc 1.37).

5. O paralítico buscava a cura, mas recebeu muito mais que isso. Ele foi restaurado de que formas?
A restauração foi total e completa, pois ele foi curado fisicamente e restaurado espiritualmente.


 
Top