FECHAR
Clique e acesse
 

O dia de finados, celebrado pela Igreja Católica Romana é heresia, uma aberração à doutrina bíblica. Ela tem origem pagã e diverge radicalmente do ensino da Palavra de Deus. O dia de finados teve origem entre os clérigos romanos ao inicio da paganização do cristianismo. institucionalizada na Igreja Católica Romana.

Antes mesmo de o dia de finados ser criado, o culto aos mortos já existia no mundo pagão, e quando começou a ser praticado -inicialmente de forma sutil e depois mais abertamente - pela Igreja Católica Romana, sofreu a crítica de um pequeno grupo de cristãos da época, centrados no ensino da Palavra de Deus, e que foram rechaçados pelos líderes de Roma. Posteriormente, essa pratica herética só aumentou.



Na época carolíngia, que compreende os séculos 9 e 10 dC, surgiu o registro dos vivos e mortos a serem lembrados nas missas, como ocorre ainda hoje em toda Igreja Católica Romana, tomando o lugar dos antigos dípticos, tabuinhas de cera onde figuravam os nomes dos doadores de oferendas. Esses registros eram chamados de libri vitae (livros da vida) e incluíam os vivos e os mortos.

Não muito tempo depois de criados esses registros, os mortos foram separados dos vivos nessas litas.
VEJAMOS SOBRE OS MORTOS

1) A morte à Luz da BíbliaClique Aqui
2) Podem os mortos ajudar os vivos? - Clique Aqui
3) A Invocação de Mortos à Luz da Bíblia - Clique Aqui
4) A Comunicação com os Mortos à Luz da Bíblia - Clique Aqui

Já no 7° século, na Irlanda, passou-se a escrever os nomes dos mortos em rolos que eram lidos nos monastérios e igrejas. Essa tradição deu origem às necrologias, lidas nos ofícios católicos romanos, e aos obituários que lembravam os serviços e obras dos defuntos nas datas em que completavam aniversário de falecimento.
Os libri memorialis, como eram conhecidos, na época carolíngia continham de 15 mil a 40 mil nomes a serem lembrados.
As necrologias da Abadia de Cluny, na França, faziam menção a 40 ou 50 nomes de defuntos por dia.

A instituição dos mortos
No 11° século, exatamente entre 1024 e 1033 d.C, Cluny instituiu a comemoração dos mortos em 2 de novembro, estabelecendo a conexão deste dia com o chamado dia de todos os santos.

A criadora do dia de todos os santos
O dia de todos os santos foi criado pela Igreja Católica Romana em 835 d.C e comemorado no dia 1° de novembro em honra aos mortos, mas foi o abade beneditiano Odílio (962-1049dC), de Cluny, que modificou e substituiu o tal dia pelo de finados, que seria um dia reservado às orações pelas almas no purgatório.
O dia de finados começou a ser aceito por Roma em 998d.C, juntamente com a celebração do dia de todas as almas, e foi oficializado no início do século 11, sendo cristalizado já no século 20.

A verdadeira origem do dia de todos os santos
É interessante notar que o dia de todos os santos, de onde tudo começou, foi copiado dos cultos pagãos dos celtas e dos gaulenses.

A festa dos espíritos era celebrada pelos celtas em 1° de novembro. Nessa data os celtas ofereciam sacrifícios para libertar os espíritos que eram aprisionados por Samhain, o príncipe das trevas.

O império romano também absorveu o dia de pomona, dos gaulenses, transformando as duas festas em uma só. Posteriormente, a Igreja Católica Romana tomou a data para celebração do dia de todas as almas, absorvendo a crendice dos pagãos.

Em 1439, quando Roma bateu o martelo decisivamente pró doutrina do purgatório, o dia de finados foi fortalecido, sendo confirmado definitivamente com o Concílio de Trento, no século 16, que inseriu na Bíblia católica romana os livros apócrifos.

A base católica para o culto aos mortos
É no livro apócrifo de 2 Macabeus que se baseia o culto aos mortos, promovido por Roma todo mês de novembro.
Os católicos romanos alegam que Judas realizou sacrifício pelos mortos no livro de Macabeus (2 Macabeus 12.44-45), mas não podemos de forma alguma tomar este livro como sendo parte das Escrituras Sagradas. O autor de Macabeus, ao final do livro, pede desculpas por algum erro que possa ter cometido.
Se fosse um livro inspirado por Deus, o Senhor precisaria pedir perdão por alguma coisa?
Macabeus afirma: "Finalizarei aqui a minha narração. Se ela está felizmente concebida e ordenada, era este o meu desejo: se ela está imperfeita e medíocre, é que não pude fazer melhor", 2 Macabeus 15.38.
As pessoas às vezes preferem acreditar mais em tradições humanas e experiências pessoais do que procurar estudar a Bíblia para verificar o que realmente fala a respeito do assunto.

Em relação o purgatório
Não há base, em nenhum trecho das Sagradas Escrituras, para o purgatório. Não se deve orar pelos mortos porque a Bíblia diz que, depois da morte, segue-se o juízo (Hb 9.27).

Veja o absurdo ensinado pelos romanistas ao falarem do purgatório:
"Se alguém disser que, depois de receber a graça da justificação, a culpa é perdoada ao pecador penitente e que é destruída a penalidade da punição eterna, e que nenhuma punição fica para ser paga, ou neste mundo ou no futuro, antes do livre acesso ao reino ser aberto, seja anátema" (A Base da Doutrina Católica Contida na Profissão de Fé, Seção VI, papa Pio IV).
Como pode-se ver, a doutrina do purgatório simplesmente menospreza a obra expiatória e vicária de Cristo na cruz do Calvário, quando a Bíblia diz que o que Jesus fez é definitivo.
Se alguém está em Cristo, nenhuma condenação há (Rm 8.1.1, há completo livramento do juízo vindouro (Jo 5.24).
Como, então, ensinar que Deus queima seus filhos no purgatório para satisfazer à sua justiça já satisfeita pelo sacrifício de Cristo, ou mesmo para satisfazer a si mesmo, como se o que Cristo fez não fosse suficiente?

Como Deus pode purgar pecados já expiados?
Além disso, teria o papa mais poderes que Jesus, já que Roma ensina que Jesus, que do Céu intercede pelos pecadores, vê-se impossibilitado de livrar as almas que estão no purgatório, e só o papa possui a chave daquele cárcere?
O atual estado dos salvos mortos está claro em Lucas 23-43 e Apocalipse 14.13: é o Paraíso. O estado dos que morrem sem Jesus também é claro nas Escrituras (Lc 16.19-31 e Hb 9.27).

Conclusão
Portanto, orar por quem já morreu é tolice. Não adianta. É antibíblico e inócuo. O dia de finados não se sustenta, porque ele é uma mera tradição religiosa, nada mais que isso. É uma invenção religiosa, bem explorada "pelo comércio e pela Igreja Católica Romana. Uma farsa, como qualquer outra.
Fonte: Rev. Resposta Fiel, ano 3,n°9, CPAD

Auxílios para a Escola Dominical
Receba Lições, Artigos, Vídeos e Subsídios! É Grátis. Digite seu E-mail e em seguida abra o seu e-mail e clique em nosso link de conformação:

 
Top