FECHAR <----

CLIQUE AQUI
 

Obs. Subsídio para a classe de Jovens. Lição 11 – 2° trimestre de 2019.

OBJETIVOS
• CONSCIENTIZAR do poder destrutivo do orgulho;
• ADVERTIR a respeito do poder destrutivo da inveja.

O orgulho e a inveja são dois temas diretamente relacionados ao poder. Provérbios, um dos livros sapienciais ou de sabedoria, aborda o perigo da opção de uma vida orgulhosa e individualista. O poeta recomenda privilegiar uma vida simples e humilde.

I. O Poder e o Orgulho Fatal

1. A sabedoria é o antídoto contra o orgulho

As pessoas têm uma tendência de confundir inteligência com sabedoria. O ser humano, por natureza, é um ser inteligente, mas nem todas as pessoas sabem aplicar com eficácia a inteligência disponível. Quem sabe, esse é o sábio. No livro de Provérbios, a sabedoria é vista como uma forma de antídoto contra o orgulho e algo que deve ser buscado com todo o ânimo (Pv 16.16). Quem a acha, sempre agirá com humildade (Pv 11.2). Nesse contexto, a pessoa orgulhosa nunca alcança a sabedoria que é abençoada por Deus.

O orgulhoso é desprovido de lucidez e bom senso, pois está pronto a fazer o mal se os seus interesses forem colocados em risco (Pv 6.18; 16.17; 27.7). Ele não consegue controlar-se quando confrontado, pois seu orgulho toma-o inseguro, inflexível e até mesmo ingênuo (Pv 25.28; 27.12; 26.3,9). Dessa forma, o orgulhoso toma-se uma pessoa não confiável, podendo colocar todo um projeto em risco. Por isso, há a necessidade de quem lidera ter percepção do comportamento das pessoas que fazem parte de seu grupo. A pessoa orgulhosa vê na posse do poder a possibilidade de proteger-se de sua insegurança. Assim, ela não seria a melhor pessoa para ser indicada para um serviço de responsabilidade (Pv 25.14; 26.6,10,11,13-26; 27,22) e para um projeto que necessita de relacionamentos interpessoais saudáveis (Pv 26.18-22).

Em Provérbios 1.7, está escrito: “O temor do SENHOR é o princípio da ciência”. Por consequência, quem teme ao Senhor não busca a riqueza conquistada pela injustiça, mas busca o trabalho honesto e sem arrogância (Pv 16.17; 28.19,20; 29.3).

2. O orgulho precede a ruína

Champlin afirma que o versículo 18 trata da personificação do orgulho, e prever como ele é precede a ruína e queda fatal:

Naturalmente, o v. 18 é uma das declarações mais familiares e mais empregadas. O orgulho é personificado. Estamos diante de um homem arrogante, que se pavoneia por onde passa, dominando outras pessoas, buscando com quem brigar, mas então de súbito, ele sucumbe. O homem orgulhoso tropeça em um obstáculo e cai numa cova. Ele é como o animal que um caçador, finalmente, apanha em sua armadilha. Sua queda é fatal. O caçador o apanha, e uma seta atravessa-lhe o coração. A segunda linha métrica provê o pensamento que fornece o paralelo sinônimo. Na primeira métrica, o orgulho se projeta; na segunda, os dias de projeção terminaram, pois o homem orgulhoso cai. O indivíduo que vive de cabeça levantada olha sobranceiramente, e não para onde está indo, não vê aquilo em que tropeça, e cai. Outrossim, quanto mais elevada é a pessoa, maior é a sua queda... esse foi o caso de Nabucodonosor... Dn 4.30,31. (CHAMPLIN, 2001, p. 2620)

A pessoa que adquire riqueza e poder e é desprovida de sabedoria leva uma vida de prepotência e arrogância (Pv 16.19; 18.23). Desse modo, ela vê as pessoas como objetos, e não como criaturas de Deus e nem como seu próximo. As pessoas nessa situação tendem a lutar constantemente para manter o seu status quo. Por isso, tratam as pessoas subordinadas ou em condições de dependência como se nunca fossem precisar delas. Elas investem nos relacionamentos com pessoas em condições financeiras e de poder semelhantes com o propósito de trocas de favores e interesses. Elas vivem uma vida de insegurança constante, sempre com medo de perder o poder e, por esse motivo, não dormem enquanto não maquinam o que fazer para manter-se no controle (Pv 4.16; SI 36.4; Is 57.20; Mq 2.1).


Eles vivem uma vida sem paz e tranquilidade, aliada a uma constante insegurança pelo sentimento de culpa e medo. O poeta recomenda uma vida simples e humilde, pois melhor é a pobreza — que pode até ser fruto de contexto sócio-histórico (Pv 28.6) — que é construída por meio da integridade e justiça (Pv 28.11). A experiência demonstra que as pessoas que alcançam a excelência na vida são aquelas que conseguem extrair o melhor das coisas simples (Pv 22; 23.5), enquanto os soberbos, que pensam desfrutar o melhor da vida, terminam em uma vida que não valeu a pena ser vivida, ou seja, uma vida em ruínas.

Leia também:
Lição 11 - Orgulho e InvejaAcesse Aqui
Lição 12 - O Governo da Igreja Local – Acesse Aqui
Lição 13 - Resgatando o Princípio da Humildade e do Serviço ao PróximoAcesse Aqui
CURSO de Qualificação de Professores da Escola DominicalAcesse Aqui


3. A sabedoria da Palavra dá sentido à vida e produz bem-aventurança

O acesso à educação na antiguidade era uma exclusividade dos poderosos. No entanto, na época da organização tribal, em que os clãs tinham prioridade e o relacionamento entre os membros e a proteção era bem evidente, a sabedoria também era algo compartilhado no ambiente familiar interno, a sabedoria popular (Pv 4.1-5). O conselho nos ambientes urbanos ou a sabedoria dos anciões nos lugarejos constituíam outro contexto de compartilhamento de sabedoria. Todavia, com o tempo e, principalmente, com a instituição da monarquia, a sabedoria faz um caminho que vai de um nível familiar para um nível de manutenção de status e de poder. E uma sabedoria mais exclusiva e para atendimento de objetivos específicos, constituída pelos escribas e escolas de escribas. A sabedoria era uma das três principais fontes de revelação divina (Jr 18.18). A poesia hebraica tinha um papel na literatura e crença de Israel. Assim, aqueles que tinham acesso ao texto escrito ou aqueles que aprendiam aos pés dos propagadores da tradição oral, quer em casa, na rua ou na prática litúrgica, eram moldados pela sabedoria da Palavra.

Quem ouve e busca a sabedoria viverá em segurança sem temer nenhum mal (Pv 8.30,31). A sabedoria dada por Deus não é exclusiva dos nobres, diplomatas ou burocratas, mas faz-se aparente e notória nas ruas, nas praças, nas esquinas das ruas barulhentas, entre outros lugares (Pv 1.20). O monarca não está no centro da preocupação de Provérbios, mas, sim, o indivíduo israelita. Assim, o poeta aconselha a busca do conhecimento, quer seja secular ou da Palavra de Deus, mas nenhum conhecimento trará resultado permanente e eficaz se não estiver debaixo do temor do Senhor. Viver uma vida sábia sob o temor do Senhor é que dá sentido à vida.

II. O Poder e a Inveja Mortal



CURSOS BÍBLICOS PARA VOCÊ:
1) Curso: Preparação e Pregação de Mensagens Bíblicas - Clique Aqui
2) Curso de Formação de Missionários Clique Aqui
3) Curso de Qualificação MinisterialClique Aqui
4) Curso Básico em Teologia - Clique Aqui
5) Curso de Secretariado para Igrejas Clique Aqui
6) Capacitação de Professores da Escola Dominical Clique Aqui
7) Curso Avançado de Escatologia Bíblica - Clique Aqui

ESTUDE A BÍBLIA À DISTÂNCIA
A narrativa do ato de adoração dos dois primeiros irmãos (Gn 4.1-8), que resultou no assassinato de Abel por Caim, ensina muito sobre as consequências da inveja, além de instruir sobre o cuidado de Deus com o pecador. As orientações divinas dadas a Caim ainda são atuais para que o cristão sábio possa evitar a morte espiritual.

1. Inveja, uma das paixões mais características da natureza humana

O tema inveja foi estudado por diversos pensadores. Entre eles, podemos citar: a) o famoso filósofo grego Aristóteles (384-322 a.C.); b) o poeta romano Ovídio (43 a.C. em 17 ou 18 d.C.); c) o político e filósofo Francis Bacon (1561-1626); d) o médico neurologista e criador da Psicanálise, Sigmund S. Freud (1856-1939); entre outros.

Pela etimologia, a palavra inveja é formada pelos étimos latinos in (dentro de) + videre (olhar), que indicam um olhar maléfico que penetra no outro de forma destrutiva. Segundo Zimerman (2001, p. 225), o sujeito invejoso é aquele que se recusa a ver e a reconhecer as diferenças entre ele e o outro, uma vez que esse outro possui as qualidades de que ele necessita e que almeja ter. Aristóteles tratava a inveja como uma das 14 paixões que caracterizam a alma humana. Para ele, “as paixões são todos aqueles sentimentos que, causando mudança nas pessoas, fazem diferir seus julgamentos”. No caso da inveja, ela é a paixão que interfere no julgamento do indivíduo, causando-lhe um “pesar pelo sucesso evidente de que gozam os iguais”. Ele defende que a pessoa geralmente sente inveja daqueles que são semelhantes (idade, classe social, reputação, proximidade, entre outros) e dificilmente terá esse sentimento por pessoas consideradas bem inferiores ou bem superiores a si (ARISTÓTELES, 2003, p. XIV, 67). Dessa forma, o indivíduo sente inveja de seus competidores diretos, que estão praticamente “em pé de igualdade”. Ovídio, em um poema, personifica a inveja e destaca o seu poder mortífero:

A inveja habita no fundo de um vale onde jamais se vê o sol. Nenhum vento o atravessa; ali reinam a tristeza e o frio, jamais se acende o fogo, há sempre trevas espessas [...]. A palidez cobre seu rosto, seu corpo é descarnado, o olhar não se fixa em parte alguma. Tem os dentes manchados de tártaro, o seio esverdeado pela bile, a língua úmida de veneno. Ela ignora o sorriso, salvo aquele que é excitado pela visão da dor [...]. Assiste com despeito o sucesso dos homens e esse espetáculo a corrói; ao dilacerar os outros, ela se dilacera a si mesma, e este é seu suplício. (OVÍDIO, 1996, p. 770)

Para Klein, a inveja vai além de desejar o que é do outro, pois também pode gerar o desejo de que o outro não possua o que tem, ou seja, não importa que eu não tenha, desde que o outro também não possua o objeto desejado (KLEIN, 1991, p. 205; ZIMERMAN, 2001, p. 225). O invejoso, motivado pela sua baixa autoestima, considera-se incapaz de conquistar o objeto de desejo e tenta destruí-lo. Caim, ressentido, revolta-se contra o irmão que conquista o lugar desejado por ele e, dotado do “poder-fazer”, assassina Abel.

2. Caim entristece-se com a aprovação de Abel

O ser humano não escolhe em qual família nascer. Assim, os pais, irmãos e outros parentes são impostos e com eles compartilhamos boa parte de nossa história de vida. O nascimento do segundo filho geralmente é sinônimo de conflito, que pode até ser gerenciável, mas nem sempre. O relacionamento entre irmãos é uma das três contingências vitalícias do ser humano. Não existe ex-pais, nem ex-filhos e nem ex-irmãos.

A história de rivalidade entre irmãos, levada ao extremo e algo inevitável, faz-se presente desde que o mundo é mundo. Na literatura universal, é comum a luta entre irmãos, bem como a rivalidade entre os ofícios de lavrador e pastor. Por exemplo, nos textos babilônicos antigos, a vida do pastor era considerada mais agradável aos deuses, e as oferendas de animais eram consideradas mais saborosas do que as de vegetais.

Em Gênesis 4, é relatado o nascimento dos filhos do primeiro casal. A ênfase do texto é dada para o primogênito, Caim, que era a alegria de Eva, a mãe do todos os seres viventes. Caim, por ser o primogênito, deveria ter uma posição de destaque e respeito. Naturalmente, ele teria uma posição hierarquicamente superior e com mais responsabilidades. Durante a história da humanidade, em todos os povos, as famílias têm considerado o primogênito com uma deferência especial. Na sociedade contemporânea, ainda se mantém resquícios desse sistema familiar antigo. O nascimento do segundo filho do primeiro casal não parece ter incomodado Caim de início.

A própria definição do nome Abel demonstra a sua insignificância. Seu nome vem da raiz hebraica hebel, que significa qualquer coisa que desvanece, pois, com sua morte, ele não deixaria descendência, e a narrativa só serve para contar sobre a inveja de seu irmão Caim. Todavia, como toda e qualquer família, a chegada do segundo filho sempre causará no primogênito, ainda que em proporções diferentes, dependendo de cada caso, a renúncia forçada da figura de exclusividade materna e paterna. A chegada do novo membro traz consigo a mudança e perturba o equilíbrio constituído. O primogênito terá que reorganizar seu espaço e sua maneira de pensar, considerando a presença do mais novo. De único e privilegiado, ele passa a compartilhar sua posição familiar com o recém-chegado. Ruffo (2003, p. 46) afirma que “cada um de nós nutre a fantasia de ser alguém único, de ser o único a contar para os outros e no mundo. Abandonar essa ideia é difícil, mas necessário para viver entre os outros, com toda a sua vulnerabilidade”.
A inveja provoca tristeza nas pessoas por elas não possuírem o que desejam e por verem que outras pessoas possuem o objeto do desejo. E o que René Girard chamaria de imitação de desejo do outro, que resulta em violência, pois o núcleo do desejo não é mais o objeto, mas a violência contra o outro. Não se tem o objeto do desejo, mas pode-se tirar a vida de quem tem o objeto desejado como forma de vingança, alimentada pela inveja. Caim desejava ter a aprovação divina obtida por Abel, uma legitimação de poder, uma vez que demonstraria a sua intimidade com Deus. Nesse caso, a inveja ocupa o lugar do desejo. Jesus afirmou que o mal começa na esfera do desejo (Mt 5.27ss). O invejoso tem dificuldade para falar bem e abençoar o próximo. Ele não suporta o brilho das pessoas, pois vive em trevas. A inveja também pode ser o sentimento de não querer que o outro tenha o que ele ou ela tem.
O cristão deve avaliar constantemente seus sentimentos e atitudes para impedir que o poder da inveja tire a sua paz. A violência não precisa ser literal, mas pode ocorrer um homicídio imaginário, em que as pessoas tentam destruir a vida das outras por inveja.


FonteCobiça e Orgulho – Combatendo o desejo da carne, o desejo dos olhos e a soberba da vida. Editora CPAD | Autor: Pr. Natalino das Neves.
Atenção! Para adquirir o livro completo Acesse AQUI

Obs. Ao comprar um livro, você remunera e reconhece o trabalho do autor e o de muitos outros profissionais envolvidos na produção do livro.

Postar um comentário

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE O QUE VOCÊ LEU NESTA PÁGINA


 
Top