{ FECHAR }

CLIQUE AQUI


O que diz a Palavra de Deus acerca da vida humana ainda em seu nascedouro? O comentarista de Lições Bíblicas, professor universitário e bacharel em Ciências Econômicas, pastor Elinaldo Renovai o de Lima explica que o feto, ou embrião, não deve ser considerado um subumano, mas uma pessoa em formação, em potencial. Em seu livro “Ética Cristã: confrontando as questões morais do nosso tempo” (CPAD), o autor ressalta que da primeira à oitava semana (dois meses) a formação de todos os órgãos é concluída, inclusive, com as impressões digitais.

“Aos três meses, no útero, o bebê já está formado, esperando crescer e sair à luz. Mesmo como ovo, ou feto, desde a concepção cremos que o bebê não tem vida, mas tem a alma e o espírito, dentro dele. Diz o profeta: ‘Peso da Palavra do Senhor sobre Israel. Fala o Senhor; o que estende o céu, e que funda a terra, e que forma o espírito do homem dentro dele’ (Zc 12.1). O homem, nesse texto, não é um ser humano adulto, mas um ser criado, com todas as características genéticas, sem dúvida. Assim, Deus não dá o espírito (e a alma) a um amontoado de células ou uma coisa, como entendem os materialistas, mas Ele o dá a um ser gerado, com potencialidades para nascer”.

O articulista acrescenta que a Bíblia Sagrada, embora não seja um livro de Ciência ou de Biologia, entretanto, traz em seu interior, informações relevantes sobre o corpo humano. A narrativa que ilustra o nascimento do profeta João Batista e do próprio Jesus oferecem importantes evidências acerca da vida intra-uterina.

“Ao que tudo indica, Maria, a mãe de Jesus, já o tinha no ventre há um mês (quatro semanas), quando foi visitar Isabel, sua prima. Esta já estava com seis meses de grávida de João Batista (cf. Lc 1.36), tendo, nela, um feto de 24 semanas. A Bíblia nos mostra que, ao ouvir Isabel a saudação de Maria, ‘a criancinha saltou no seu ventre; e Isabel foi cheia do Espírito Santo’ (Lc 1.41). No ventre de Maria, não estava ‘uma coisa’, mas o Salvador do mundo; no ventre de Isabel não estava um ser desprovido de alma, mas uma ‘criancinha”.

Veja também:
1) Não à Descriminalização do AbortoAcesse Aqui

2) Aborto é CrimeAcesse Aqui

3) Ética Cristã e AbortoAcesse Aqui

A BÍBLIA CONDENA O ABORTO

Independente do motivo pelo qual a criança foi concebida, é Deus quem forma as crianças no ventre (Jó 10.11,12; 33.4; S1139.13-16). A Bíblia também afirma que os filhos devem ser tratados como dádivas divinas (Gn 33.5; S1127.3). Não devemos rejeitar uma criança, mas recebê-la como trataríamos o próprio Jesus (Mt 18.5; Mc 9.36,37). Deus diz que ainda que uma mãe rejeitasse seu filho no ventre, Ele não o faria e nunca se esquece dos Seus filhos (Is 49.15,16). A vida foi criada por Deus (Gn 1.27,28 e At 17.26), logo somente Ele pode tirá-la.
Não devemos assassinar
“Não matarás (Êx 20.13)”.
O verbo hebraico ratsach, que aparece nessa passagem, fala de homicídio premeditado. Ele nunca é usado para se referir à execução legal de um assassino (Gn 9.6), para homicídio culposo, para legitima defesa ou situações de guerra.

Deus é quem dá a vida e Ele abomina a morte de inocentes (1 Sm 2.6; Jó 1.21; Pv 6.16,17; Dt 27.25; Gn 4.10; 1 Co 3.17), e entre estes estão as crianças (S1106.38). Não há razão científica, médica, social, moral ou religiosa para colocar a criança no ventre em uma classe inferior ao das crianças já nascidas. O direito à vida é fundamental (Jó 31.13-15). Devemos nos opor à morte de inocentes (Pv 24.11,12; 29.7), nos colocar em defesa dos mais fracos, indefesos, injustiçados e oprimidos (Êx 22.21-24; SI 82.3,4; Jr 22.3), e a criança ameaçada no ventre está nessas condições. Feto não é extensão do corpo da mulher, mas outra vida dentro dela.

A insensibilidade humana quanto à manutenção da vida ainda no ventre contrasta com o amor incondicional de Jesus Cristo. Os Evangelhos Sinóticos desnudam a compaixão e o regozijo do Mestre ao permitir que as crianças tivessem acesso a sua presença. O Filho de Deus abençoou os pequenos e ainda emitiu um importante esclarecimento quanto a relevância do público infantil no Reino de Deus (Mt 19,13-15; Mc 10,13-16; Lc 18,15-17).

Divulgação: Subsídios EBD

Postar um comentário

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE O QUE VOCÊ LEU NESTA PÁGINA



 
Top